• Bruno Souza

Acreditar e acompanhar


Outro dia desses ouvi pela janela do prédio, minha vizinha perguntando para a mãe onde estava o passarinho. Eis como a conversa desenrolou.


- Não sei minha filha. Quando olhei a última vez a gaiola estava aberta.

- Mãe, achei que já estava na hora dela voar novamente. Dai deixei aberta.

- Mas nós pegamos faz só duas semanas.

- E não tá bom?

- Nós temos um gato minha filha.


Fiquei triste ao descobrir que foi devorado pelo gato depois. Isso por algum motivo me remeteu ao processo terapêutico e da responsabilidade que temos como psicólogos.

.


Que bom gesto da pessoa em pegar o pássaro e cuidar dele. Ele estava machucado e precisava de ajuda, não podia voar.

.


Ela cuidou do pássaro, mas ai cometeu um erro fatal. Acreditou que o tempo que estavam juntos era o suficiente.

.


Ela abriu a gaiola e torceu para que o pássaro voasse novamente, mas ela não o ACOMPANHOU.

.


Não adianta de nada ajudarmos alguém, alimentarmos, darmos abrigo se não estivermos por perto para dar suporte.

.


Na terapia existem recaídas. Estamos aprendendo a sair de uma maneira de “andar” disfuncional para uma forma natural. Nada funciona da noite pro dia.

.


A mudança ocorre aos poucos e precisa de acompanhamento.

.


Muito provavelmente o pássaro tentou voar, caiu e não havia ninguém para apoiá-lo.

© 2019 por Bruno Souza. Imperfeito e original